Thursday, July 12, 2007

Sobre meu pai


Pater Noster, qui es in caelis:
sanctificetur nomen tuum: adveniat regnun tuum:
fiat voluntas tua sicut in caelo et in terra.
Panem nostrum quotidianum da nobis hodie:
et dimmite nobis debita nostra,
sicut et nos dimittimus debitoribus nostris.
Et ne nos inducas in tentantionem.
Sed libera nos a malo.

Amen.


Deus me lembra meu pai, porque mais do que ser pai, foi ele quem me ensinou um pouco da língua que parece estar mais próxima de Deus (apesar de saber que Deus não fala línguas... Ele é o verbo e todo verbo faz parte Dele, em qualquer língua em que se pronuncie o nosso coração).

Mas foi também o meu pai quem me mostrou a beleza da criação, a ternura das plantações, a virtude da bondade e tantas outras coisas que fazem parte do que de mais lindo herdamos de Deus.

Meu pai se parece com Deus, porque se esconde apesar do seu grande amor, porque age em meu favor sem se pronunciar, sem se importar se será seu o mérito ou se seus filhos simplesmente pensarão que têm sorte.

Eu não tenho sorte, tenho a espada da boa vontade na minha mão direita e o escudo da justiça na minha frente. Sorte eu não tenho, eu tenho um Pai que de tanto amor me deu outro pai, para que eu pudesse ficar mais próxima da essência de Deus e para que nós dois pudéssemos conversar com mais urgência e mais matéria. E não seria também interessante a idéia de que o nome de meu pai seja símbolo daquele que veio para nos ensinar e salvar?

Que Deus me permita essa conexão tão divina por muitos anos e que eu possa ter a alegria de dividir com meus irmãos a fascinação que é, ter um pai que se aproxima tanto de Deus em sua sabedoria, paciência, desprendimento e amor.

Amen.

Vanessa Emmanuelle

2 comments:

Anonymous said...

Menina,
Vc é fantástica te adoro muito tá. Agora que encontri o caminho baterei sempre nesta portinha e seguirei a pistinha aqui deixada.

bjão.

Mariana

Anonymous said...

Por aqui resolvi passar, numa noite quente, e calma também. No sopé das Agulhas Negras, divisa com Minas, senti tuas emoções e vi o amor, que sai dos imensos corredores da sua infinita mente, igual ao universo. Degustei as tuas palavras, cada letra! Foi como mergulhar em rios calmos e mares agitados. Senti tuas idéias, e as trouxe pra cá.

Grandes considerações
Renilton Vilela.