Friday, April 24, 2009

Sobre as especiarias metafísicas


Tenho tantas conexões com pessoas tão especiais que nem distância, o tempo ou o universo inteiro desanima, desbota ou engana esta afeição.
Às vezes nos falamos, às vezes nos lemos, às vezes nos pensamos, às vezes telepatia encaixa, às vezes o coração encolhe... tem muito amor, mas tem mais... as palavras são poucas demais.
Vem, conta a sua história que eu quero ouvir. Sua história é agora minha também e a nossa metafísica desenha o caminho pra nós. Que bom ter vocês aqui e no lá do lado de lá. Quem conecta sabe do que falo, quem não conecta não termina de ler... não tem problema, hoje é pra vocês que sabem do que fala a essência do meu coração.

Aqui um pequeno poema, se me permitem... é de uma conectada, desde a minha infância muito estimada...

PRA VOCÊ

BORBOLETA,BORBOLETA QUE SINGELA ÉS, QUE GRACIOSA, QUE ENCANTO.
COM A LEVEZA DE UMA BOLHA DE SABÃO BAILA NAS CORES DAS FLORES
E MARCA OS CORAÇÕES.

ÉS TÃO PRIVILEGIADA DE POUSARES DE FLOR EM FLOR
TODAS TE QUEREM, TODAS TE ESPERAM E PARECE DIZER:
VEM BORBOLETA VEJA O QUE GUARDEI PRA VOCÊ.

QUE AFORTUNADA TU ÉS DE DESFRUTAR COM TANTA INTIMIDADE
DO PERFUME DAS FLORES, DA BELEZA DOS JARDINS, DE SER UMA
BAILARINA NOS ARES DE TER UMA BELEZA SEM FIM.

*AÍ MANU FOI FEITA ''PRA VOCÊ'' COM MUITO CARINHO.
OBRIGADA POR ME INSPIRAR.



Obrigada pelo carinho.

Emmanuelle Aquino.

1 comment:

kikoroka said...

Ler suas palavras... Entrar no seu estado... É simplesmente de um paladar indescritível! Especiarias são sempre miúdas, leves, muito discretas no meio do prato, mas são elas que tornam o sabor especial, são elas que interligam dimensões! E vooooa
A borboleta sempre torna leve em mim muitos dos momento algemados pelo relógio (aparato virtual de "alto"-controle). A borboleta frágil e solta... liberta duras couraças químicas e musculares!


Vale lembrar palavras do meu bom poeta Jorge Luís Borges! No texto “Nova refutação do tempo” ele se refere à Chuang Tzu, um "pharmakós da linguagem" cujo os textos nunca trazem referências temporais, espaciais, identitárias e lógicas.
Segundo Borges Tzu era aquele que “sonhou que era uma borboleta e, ao acordar, não sabia se era um homem que sonhara ser uma borboleta ou uma borboleta que agora sonhava ser um homem”
Minha querida,
Os conectados comungam com você...
Meu amor por você é sepinterno!!!